terça-feira, 5 de maio de 2009

balanço.

Só me resta o pedaço do banco da praça
Para sentar sozinha sem revista e descalça
Mil rodeios para fugir do assunto
Mas se eu estou nesse banco de praça
Banco dos bêbados e velhos de estrada
É hora de refazer as histórias
Tomar coragem
É tanta palavra desperdiçada
Pra tanta certeza desesperada
Os quadros derretem
E tudo mais desaparece
E eu?
Se não sou bêbado nem velho
qual é o meu pedaço do banco da praça
eu vou sair
levantar e chutar a areia para amanha me sentir melhor
voltar para os braços da vida
Cristo redentor
foi só você quem me viu aqui sentada
sempre calado não diz nada
dentro dos seus braços
me sinto acuada.



Por Mayara.

2 comentários:

Luanda de Lima disse...

Tem vezes que uma angústia misturada com solidão toma conta da gente, às vezes com motivo, outras sem. Ainda bem que, mais hora, menos hora, ela passa. Ou será que a gente só se acostuma com ela?

Nossa (!) T P M disse...

hahaha espero que não seja costume...mas já pensei isso várias vezes também.

Mayara.